Páginas

balancete
1 2 3 4

Texto aula da vera 07/11

http://rapidshare.com/files/161491170/AULA_10_-_Chateaubriand.doc.html

eh soh clicar em free user.....
Ler Mais

SLIDES DA VERA

PESSOAL, ESTÁ AQUI COMO COMBINADO OS SLIDES DA AULA DA VERA.....
http://rapidshare.de/files/39040783/O_que___c...doc.html
http://rapidshare.de/files/39040870/O_QUE___C...ppt.html

são os dois blz?
bom estudos..

EH SOH BAIXAR...
Ler Mais

MANUAL SIMPLIFICADO DE SEMIOTICA

bom pessoal, baixei no blog do professor, o manual, quem quiser... tah ai...

http://www.mediafire.com/?dgijs9yxbjy esse é o link pra baixar ele em doc

porque é meio grandinho... tem 22 paginas... ai naum dah pra posta neh...


bjos...

creu!
Ler Mais

MAIS SOBRE SEMIOTICA

bom pessoal, como semiótica é a matéria que agente anda pirando mais....
nosso amigo rodrigo, nos passou esse link com coisas super legais sore a matéria....

segue ai:
http://www.pucsp.br/pos/cos/cepe/semiotica/semiotica.htm#1
Ler Mais

MAIS UM DO SILVIO..


bom pessoal, pra quem não consegue entrar no blog do professor, fiz o imenso favor de dar um CTLR C e depois um CTLR V pra vcs verem.. o quadro que ele comentou na sala essa semana...

Abraços:

skip to main skip to sidebar
Lomo DigitALL
13.3.08

A PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA 1931

Este quadro tão pequeno (24x33cm) é provavelmente a mais conhecida de todas as obras de Dali. A flacidez dos relógios dependurados e escorregando mostram uma preocupação humana, com o tempo e a memória. O próprio Dali está presente, na forma da cabeça adormecida que já apareceu em outros quadros. Segundo ele, a idéia do quadro ocorreu e como a paisagem já estava pronta, levou apenas 2 horas para realizá-lo. Quando Gala, voltou do cinema e viu o quadro, previu que quem visse este quadro jamais o esqueceria.No fim da década de 1920, Dalí foi expulso da academia por indisciplina e seguiu para Paris, onde travou contato mais profundo com integrantes do surrealismo, movimento artístico de vanguarda surgido na capital francesa poucos anos antes, em 1924, que abrangeu as artes plásticas, a literatura, o cinema e o teatro. O surrealismo prezava os sonhos, o subconsciente, a subjetividade, o ilogismo. Para os integrantes do movimento, a verdadeira arte não devia deixar-se dominar ou domar pela razão. Se antes Dalí tinha alguma resistência ou dúvida quanto a esse movimento, a partir de 1929 ele mergulhou de corpo e alma (e pincel) no mundo onírico do surrealismo.Dessa fase inicial surrealista de Dalí destaca-se uma de suas mais famosas telas, “A persistência da memória” (1931), que, aliás, se tornou uma das mais representativas obras do movimento. A pequena tela (24 x 33 cm) é dividida não simetricamente pela iluminação. Ao fundo, a provável paisagem de uma praia ao amanhecer contrasta com o primeiro plano, escuro e denso. Nesse plano, uma face pela metade, sem boca, repousa, como um animal, de olhos fechados, sobre o chão. De seu nariz, sai uma língua. Sobre ela, um relógio “mole”, como um “queijo camembert”, assim descreveu Dalí. Ao lado, há uma mesa, sobre a qual existem mais dois relógios: um fechado, coberto por formigas, que parecem devorá-lo, e outro igualmente mole, que escorre pela mesa. Há, ainda, sobre a mesa, um tronco de árvore. Num de seus dois galhos secos, outro relógio mole está pendurado, como uma roupa num varal.“A persistência da memória” é uma obra-síntese do surrealismo, pois reúne elementos próprios do movimento, como o rompimento com a razão, a liberação da imaginação, a estética onírica etc. Por isso, as teses dos sonhos e do subconsciente, entre outras, de Sigmund Freud eram muito bem recebidas pelos surrealistas. Dalí especialmente simpatizava com as teses freudianas. Aliás, o fascínio de Dalí pelas idéias de Freud fez que o artista visitasse o famoso pai da psicanálise em Londres, em 1938. Ecos freudianos podem ser observados em “A persistência da memória”. A tela parece dizer que, ao contrário do que se imagina, o tempo não é rígido, imutável. Em vez disso, ele é maleável, flexível, e, portanto, passado e presente – assim como sonho e realidade – coexistem, em pé de igualdade, na parte “não iluminada” das pessoas.Embora imbuída das idéias do surrealismo, a técnica de Dalí adquire contornos próprios e vai além da automação surrealista. Para o movimento, a escrita e a pintura deveriam ser “automáticas”, ou seja, deveriam sair num jorro e não poderiam passar pelo crivo da razão, que as corromperia ou deturparia. Desse modo, o fluxo imediato e não destilado estaria mais próximo do inconsciente, tão caro aos surrealistas e aos seus propósitos. Dalí, no entanto, aplicou à sua criação um método próprio, chamado por ele de “crítico-paranóico”. Esse método seria uma maneira distinta de perceber a realidade, na qual movimentos associativos e elementos oníricos teriam papéis fundamentais. Segundo suas palavras, seria “um método espontâneo de conhecimento irracional baseado na associação interpretativa crítica de fenômenos delirantes”.
fui...
creeeeeeeeeeu
Ler Mais
PRA QUEM AINDA NAUM VIU... E SOH FICA ESCUTANDO NA SALA.. O MALDITO
CACETE DE AGULHA...
VE AI...
Ler Mais

MATERIA DO SILVIO...

gente o que é isso ?




"... Primeira versão, a de 1926, eu creio: um cachimbo desenhado com cuidado e, em cima (escrita a mão, com uma caligrafia regular, caprichada, artificial, caligrafia de convento, como é possível encontrar servindo de modelo no alto dos cadernos escolares, ou num quadro-negro, depois de uma lição de coisas), esta menção: "isto não é um cachimbo".....A outra versão - suponho que a ultima -, pode-se encontrá-la na Alvorada nos antípodas . Mesmo cachimbo, mesmo enunciado, mesma caligrafia. Mas em vez de se encontrarem justapostos num espaço indiferente, sem limite nem especificação, o texto e a figura estão colocados no interior de uma moldura; ela própria está pousada sobre um cavalete, e este, por sua vez, sobre as tábuas bem visíveis do assoalho. Em cima, um cachimbo exatamente igual ao que se encontra, mas muito maior......."Será necessário então ler:" Não busquem no alto um cachimbo verdadeiro, é o sonho do cachimbo; mas o desenho que está lá sobre o quadro, bem firme e rigorosamente traçado, é este desenho que deve ser tomado por uma verdade manifesta..."...não consigo tirar da idéia que a diabrura reside numa operação tornada invisível pela simplicidade do resultado, mas que é a única a poder explicar o embaraço indefinido por ele provocado...Essa operação é um caligrama secretamente constituído por Magritte, em seguida desfeito com cuidado.......separação entre signos liguísticos e elementos plásticos; equivalência de semelhança e da afirmação. Estes dois princípios constituíam a tensão da pintura clássica: pois o segundo reintroduzia o discurso (só há afirmação ali onde se fala) numa pintura onde o elemento linguístico era cuidadosamente excluído. Daí o fato de que a pintura clássica falava e - falava muito - embora fosse se constituindo fora da linguagem; daí o fato de que ela repousava silenciosamente num espaço discursivo; daí o fato de que ela instaurava, acima de si própria, uma espécie de lugar-comum onde podia restaurar as relações da imagem e dos signos.......Magritte liga os signos verbais e os elementos plásticos, mas sem se outorgar, previamente, uma isotopia; esquiva o fundo de discurso afirmativo, sobre o qual repousava tranquilamente a semelhança. e coloca em jogo puras similitudes e enunciados verbais não afirmativos, na instabilidade de um volume sem referência e de um espaço sem plano.......Nada de tudo isso é um cachimbo...mas um texto que simula um texto; um desenho de um cachimbo que simula o desenho de um cachimbo...(desenhado como se não fosse um desenho) ..."...entre a parede e o espelho, que capta reflexos, e a superfície opaca da parede, que recebe apenas sombras, não há nada...em todos esses planos escorregam-se similitudes que nenhuma referencia vem fixar: translações sem ponto de partida nem suporte.......a exterioridade, tão visível em Magritte, do grafismo e da plástica, está simbolizada pela não-relação - ou em todo caso pela relação muito complexa e muito aleatória entre o quadro seu título.......estranhas relações se tecem, intrusões se produzem, bruscas invasões destrutoras, quedas de imagens em meio às palavras, fulgores verbais que atravessam os desenhos e fazem-no voar em pedaços........Magritte deixa reinar o velho espaço da representação, mas em superfície somente, pois não é mais do que uma pedra lisa, que traz figuras e palavras: embaixo não há nada. É a lápide de um túmulo: as incisões que desenham as figuras e a que mascaram as letras não comunicam senão pelo vazio, por esse não-lugar que se esconde sob a solidez do mármore......parece-me que Magritte dissociou a semelhança da similitude.
..NotaCf Foucault, Michel, Isto não é um Cachimbo, Editora Paz e Terra, pp11/12/15/ 60/75/76

O QUE É ISSO?


Ler Mais
 
GALERA JORNALISMO E RP 2008 | by TNB ©2010